contato@comunicabc.com.br

19 de maio, 2024

2

3 doenças parasitárias que mais matam no mundo

3 doenças parasitárias que mais matam no mundo

Conheça as enfermidades mais mortais que ameaçam a humanidade atualmente

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que cerca de 3,5 bilhões de pessoas no mundo têm pelo menos um tipo de doença parasitária. Essas enfermidades chegam a matar cerca de 1,2 milhão de pessoas por ano, principalmente crianças menores de 5 anos. No entanto, as estatísticas reais podem ser ainda maiores, pois muitos casos não são diagnosticados ou relatados.

Além de atingir os seres humanos, elas também podem ser extremamente nocivas aos nossos animais de estimação e por isso é de suma importância que seja feita uma prevenção, pois esta é a melhor forma de evitar a proliferação dessas doenças.

Uma boa forma de evitar a contaminação por parte desses parasitas geralmente ocorre através da manutenção de um calendário regular de vacinação, no caso dos seres humanos, e do uso de vermífugos e coleiras contra leishmaniose, no que diz respeito aos nossos pets, por exemplo.

Neste artigo, abordaremos as principais doenças parasitárias que mais matam no mundo, como são disseminadas e as melhores formas de prevenção.

Compreendendo o cenário das doenças parasitárias

As doenças parasitárias são aquelas causadas por organismos que vivem em outros seres vivos, chamados hospedeiros. Esses organismos podem ser protozoários, helmintos ou artrópodes. 

Essas enfermidades são um problema de saúde pública mundial, especialmente nas áreas subdesenvolvidas onde são prevalentes. Isso se dá provavelmente por conta da escassez no acesso à água potável e saneamento básico, além da falta de higiene, que são alguns dos fatores determinantes para contaminação e transmissão.

O fato é que as condições precárias de vida nas áreas subdesenvolvidas tornam as pessoas mais suscetíveis às infecções, uma vez que seus sistemas imunológicos estão enfraquecidos. Todavia, vale lembrar que nenhum de nós está imune a elas e por isso, a prevenção é a nossa maior arma para combatê-las.

Top 3 doenças parasitárias mais mortais

Abaixo, listamos as doenças parasitárias mais mortais atualmente, seus sintomas e como realizar a prevenção corretamente.

1 – Malária

A malária é uma das doenças parasitárias mais comuns e mortais no mundo. Ela é causada por um protozoário chamado Plasmodium e é transmitida por mosquitos. A enfermidade pode ser grave e até mesmo fatal se não for tratada rapidamente.

Os sintomas da malária incluem febre, dor de cabeça, náuseas, vômitos, diarreia e suor excessivo.

Dentre as principais formas de prevenção, estão o uso de repelentes, mosquiteiros, redes que evitam a entrada de insetos em portas e janelas e roupas que protejam pernas e braços.

2 – Doença de Chagas

A doença de Chagas é uma doença infecciosa que afeta os seres humanos e alguns animais. Ela é causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi e é transmitida pelo mosquito conhecido como barbeiro.

A doença pode ser dividida em três fases sendo: a fase aguda, a fase crônica e a fase cardíaca.

A fase aguda geralmente é assintomática, mas pode ocorrer casos de febre, inchaço dos gânglios linfáticos, mal-estar e dor no corpo.

Já na fase crônica, podem aparecer lesões nos órgãos internos, como o coração, baço e o estômago.

Por fim, vem a fase cardíaca, que é a mais grave, uma vez que pode levar o paciente à insuficiência cardíaca congestiva e à morte.

A prevenção da doença de Chagas inclui o controle dos insetos vetores, o tratamento das infecções agudas e o diagnóstico precoce das infecções crônicas para realização de possíveis transplantes.

3 – Leishmaniose visceral

A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa que ataca o sistema imunológico e os órgãos internos, principalmente o fígado e o baço.

A doença é transmitida pelo mosquito flebotomíneo, também conhecido por mosquito-palha, e também pode ser fatal se não for tratada adequadamente. Os sintomas da leishmaniose visceral incluem febre, perda de peso, anemia e inchaço dos gânglios linfáticos, com o aumento do fígado.

Por não existir vacina para combater a enfermidade, a prevenção da leishmaniose visceral é feita através da eliminação dos mosquitos transmissores e do controle da doença nos animais domésticos.

 

 

Tags:

Redação Multti Clique

Redação Multti Clique

O Multti Clique é um portal que traz as principais artigos e noticias para te ajudar. Trazendo dicas e muito conteúdo de qualidade.

Está Gostando? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *